Fernando Pessoa e o Pós-Moderno: Uma Leitura Mítico-Simbólica da Heteromínia

Rogério de Almeida

Resumo


O objetivo deste artigo é refletir sobre a constituição dos heterônimos pessoanos, a partir de sua leitura simbólica, buscando uma compreensão mais abrangente do que as estabelecidas pelo paradigma clássico da modernidade, que se utilizava exclusivamente do instrumental científico de base racional (aristotélico-cartesiana) para suas leituras e reflexões. A contemporaneidade, entendida como a abertura da modernidade, joga com a pluralidade das representações e a reabilitação de estruturas míticas que subjazem às configurações narrativas que expressam sentido, como é o caso da poesia. Inicialmente, são abordadas as noções de pós-moderno, paradigma, imaginário, mito e símbolo, para então se refletir sobre a pluralidade de sentidos da obra heteronímica de Fernando Pessoa e sua ligação com o mito de Hermes, presente na mediação que atua na identidade do sujeito pós-moderno.


Texto completo:

PDF